15 de abril de 2009

25 de Abril

ESTA HISTÓRIA É VERDADEIRA?
Não, é claro que não! Toda a gente - e os escritores são como toda a gente - pode inventar histórias. Mas as histórias dos escritores - que são inventadas - costumam falar de coisas que podiam ter sido verdade. É a criação literária.

Mas então, nesta história, o que é que é verdade e o que é que é inventado? Os gémeos, o Luís, a Ana, a avó, são inventados, é claro. O roubo também. Mas existe um Laboratório em Sacavém que em 1974 se chamava Laboratório de Física e Engenharia Nucleares e onde está instalado o único reactor nuclear que existe em Portugal. E o que aconteceu em Lisboa, no dia 25 de Abril de 1974, também foi verdade. Na madrugada do dia 25, por todo o Portugal, várias unidades militares revoltaram-se e dirigiram-se a Lisboa para mudar o governo, extinguir a PIDE, libertar os presos políticos, fazer eleições livres, abolir a Censura, acabar com a guerra em Angola, Moçambique e Guiné. Era uma revolução! Os militares revoltosos apelaram pela rádio "a todos os habitantes da cidade de Lisboa, no sentido de recolherem a suas casa, nas quais se (deviam) conservar com a máxima calma". Não foi isso que os lisboetas fizeram: vieram para a rua dar vivas à Liberdade, ajudar e oferecer cravos aos soldados
O Chefe do Governo - nessa altura chamava-se Presidente do Conselho e era o Professor Marcello Caetano - refugiou-se no Quartel da Guarda Nacional Republicana, no Largo do Carmo, em pleno Centro de Lisboa. Foi para lá que se dirigiu o Capitão Salgueiro Maia, com os seus soldados e alguns blindados. E logo aí a população ajudou! Como nessa zona de Lisboa há muitas ruas estreitinhas, indicou ao Capitão Maia quais eram as melhores ruas e, uma vez chegados ao Largo do Carmo, disse-lhe a melhor maneira de alguns soldados subirem aos telhados para melhor controlarem a situação. O cerco ao Quartel do Carmo durou a tarde toda: o Capitão Salgueiro Maia chegou ao Largo do Carmo cerca do meio-dia e trinta e só às sete e meia da tarde é que o Professor Marcello Caetano se rendeu. No resto de Lisboa e no resto do País quase não houve resistência à Revolução; à noite, o General Spínola, Presidente da Junta de Salvação Nacional (era o novo governo) aparece na Televisão a anunciar o novo regime político que é aquele em que vivemos agora. Foi bom? Foi mau? Isso não nos compete a nós dizer. Nós só quisemos contar uma história que se podia ter passado naqueles dias que ficarão para sempre na História de Portugal.

Esta foi a história que nos contou a professora hoje... Não conhecemos nenhuma das personagens e até achamos que os nossos pais também não, mas vamos descobrir.
Fonte : Centro de Documentação 25 de Abril

1 comentário:

Professora Maria José disse...

Olá amigos e Profª Isabel!
Estamos de volta!

As férias já lá vão! Há que trabalhar como diz a vossa professora!
Bom trabalho neste último período e muitos sucessos!

Nota: Vimos as fotos de Granada, estão lindas! A nossa profª também já lá esteve!

Até já!